Bem-vindo(a) a Rio Vermelho

Rio Vermelho mantém-se como o bairro da moda há décadas. É onde ficam os barzinhos mais transados, alguns dos hotéis mais caros e a maior quantidade de casarões ocupados por negócios de sucesso, aproveitados pela classe média local. É, também, o espaço onde há o maior número de baianas de acarajé famosas. Tem Regina e Cira comandando o ritual da culinária baiana. Além delas, a família de Dinha, que faleceu em 2008, dá continuidade à tradição iniciada pela matriarca.

Além da famosa boemia que emana das ruas do Rio Vermelho e em locais como os largos de Santana e da Mariquita e o Mercado do Peixe, o bairro também possui outros atrativos para os visitantes conhecerem. Entre elas estão a escultura do artista e sacerdote Mestre Didi, morto em 2013, que se tornou ponto de referência no bairro; a fábrica de papel que um dia funcionou na região e de onde sobrou apenas a chaminé como um marco da história e da mobilização de moradores que, na década de 1980, se manifestaram contra a sua demolição; e também a obra do artista baiano Bel Borba, criada com material reciclado e em formato de cachorro, que fica no Largo de Santana. (Fonte: A Tarde)